IT Forum 365
Saúde digital

Saúde digital: 5 tecnologias que vão revolucionar o setor

Internet das Coisas e Prontuário Eletrônico do Paciente são duas delas; mais de 75% dos pacientes esperam utilizar serviços digitais no futuro

Com o avanço das tecnologias e a necessidade de inovar para manter a competitividade, instituições de saúde do mundo todo estão automatizando processos administrativos, operacionais e assistenciais em busca de um atendimento mais eficiente e seguro, e melhor rentabilidade. É o que mostra um estudo realizado pela McKinsey & Company. De acordo com a consultoria, esse cenário é reflexo da mudança de perfil do paciente: mais de 75% deles esperam utilizar serviços digitais no futuro. A pesquisa mostra, ainda, que hospitais conectados são 50% mais propensos a aumentar a participação no mercado e elevar as margens de lucro, em comparação aos seus concorrentes sem acesso à tecnologia.

O uso de ferramentas digitais proporciona, além dos ganhos financeiros, um atendimento mais ágil, seguro e baseado em informações em tempo real. “Não há outro caminho, a não ser a digitalização”, afirma Claudio Giulliano, sócio da Folks, consultoria em TI para saúde. Segundo ele, manter a calma, estabelecer metas e ter uma boa gestão de projetos são passos fundamentais para ter sucesso nessa jornada. Veja, a seguir, as principais tendências tecnológicas:

1. Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP)

Trata-se de um sistema automatizado que, ao substituir o papel, reúne as informações e dados do paciente em um só lugar. A ferramenta mantém a segurança de acesso – com dados criptografados e protegidos por senha -, propicia mais agilidade nas consultas e um diagnóstico mais preciso, já que mantém o histórico de exames, internações, consultas médicas e receitas.

2. Checagem à beira-leito

Com o auxílio de uma rede wi-fi, a tecnologia é móvel, integrada ao PEP e pode transitar por todo o hospital. O objetivo é garantir que as medicações sejam aplicadas de forma correta e que as prescrições dos pacientes sejam seguidas. Isso é feito por meio do registro de todas as ações. Qualquer droga solicitada pelo médico é identificada pelo painel de checagem e, dessa forma, o enfermeiro tem certeza sobre os procedimentos, evitando qualquer duplicidade ou troca de medicação.

3. Internet das Coisas (IoT)

A tecnologia permite que vários dispositivos sejam conectados em uma única rede. Na saúde, os médicos conseguem se conectar aos pacientes, acompanhar tratamentos e oferecer um atendimento mais eficiente e personalizado. No caso de pessoas com doença de Parkinson, por exemplo, os tremores podem ser registrados e enviados, com a ajuda de sensores, para os dispositivos médicos, o que garante mais segurança e agilidade nos cuidados.

4. Big data

Com a tecnologia, bancos de dados podem ser criados e alimentados diariamente. Assim, os profissionais têm acesso a todas as informações geradas no hospital e podem, até mesmo, acessar os dados de outras instituições. Ao fazer uma prescrição, por exemplo, o médico consegue analisar prontuários eletrônicos de outros hospitais com casos parecidos e, dessa forma, ser mais preciso na escolha da medicação.

5. Telemedicina e telerradiologia

Com o uso da internet, médicos podem trocar informações a distância e acessar exames feitos de qualquer lugar. Assim, conseguem conversar com profissionais da mesma área e buscar as melhores soluções para cada caso.

Saiba mais:
Transformação digital no varejo: 5 tecnologias cruciais
Segurança da informação: os pilares de uma estratégia eficaz
Multicloud: os segredos para uma adoção bem-sucedida

 

Comentários

Notícias Relacionadas

IT Mídia S.A.

Copyright 2016 IT Mídia S.A. Todos os direitos reservados.